CLARA-MEI E OUTRAS LUZES   22 comments

(Justificativa e biografia romanceada)

Inicio dizendo que o “c” minúsculo de clara, que aparece nomeando o autor – clara-mei – é opção, não erro ortográfico.
Por que? CLARA-MEI E OUTRAS LUZES.
Bem! Porque sou clara-mei e sou você e somos muitos… E, somos “sois”. E: “O sol não brilha porque quer brilhar. O sol não brilha porque se esforça para brilhar. O sol brilha porque é sol”. (SOL, de clara-mei). Sim! Somos sois.
As estações mudam, o sol permanece. Iluminando, aquecendo, quem dele se aproxima. É tremendo! e afável! Tem a humildade de saber-se único e dar-se, por inteiro, sem discriminar, de modo a não poder furtar-se a conceder. Eu sou assim! E você? Estou absolutamente certa de que você é igual. Assim é que somos! Separados, raios de luz, juntos, Sol. Pretensão? Não! Amor…
Querem a todo custo definir-nos, definir-me: Escritora, poetisa, contista, cronista, mulher, mãe, operária, feia, bela, forte, frágil. Não vêem que tudo é a mesma coisa?! O mesmo raio de sol, em tempos diferentes, diferentes situações. Contudo, se desejares me definir, associar-me a uma categoria, fique à vontade! Muito me honras. De mim mesma não consigo.
A máxima conclusão que cheguei foi: Gratia Dei sun id quod sum. (Graças a Deus, sou o que sou). “Retirado de uma Encíclica da Igreja Católica e dos pensares de muitos filósofos”. But, eu diria em bom português: Ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. “De Paulo de Tarso, Bíblia Sagrada”.
Nos anos noventa, em Chicago, EUA. Sobreviví a vinte graus negativos. Saí de lá no rigor do inverno. Voltando ao Brasil, me estabelecí em Campo Novo do Parecís, Mato Grosso. Uma cidadezinha pequena, na época. Linda! Verão quarenta graus positivo, à sombra. Sofri? Não! Vivi, intensamente.Como sempre! Como agora: Vivo ora nesta magnífica cidade de Vitória, capital do Espirito Santo, cuja adotei por razões pessoais, ora, me embrenho num sítio, no interior do interior do Paraná, amado Estado onde nasci. Quando preciso me nutrir da terra como planta, ou bicho, ou ave, é pra lá que migro. Solo fértil onde tenho fincadas raízes profundas. Dois contrastes absolutos, realidades opostas, sob medida para mim. Acaba de me ocorrer; sou um passarinho com raízes! Incomum, não é mesmo? Deve ser coisa de poeta, isso da intensidade. Para in ou para on, (negativo e positivo). Sou assim: Amo como deus e odeio como o diabo… Oh! Não te escandalizes. Pobre diabo! Já pensastes em como tal ser leva a culpa de todos os nossos erros? Do jeito que as coisas estão, haja diabo pra tanto erro. E ainda o odiamos… Este trecho serve para mostrar-lhes o meu lado brincalão, irônico, sórdido, às vezes, brando, infantil. Aspecto que não raras vezes aparece em meus contos e crônicas. Admito! Temo mais as palavras não ditas.
Por falar em minhas letras; não lhes apresento uma coleção de títulos encadernados. Somente algumas participações em antologias, coletâneas, jornal e revista. Valorizo muito os livros e os autores, aos bons, venero, mas gosto também e muito de árvores. Nunca até agora corri atrás de editar, ao contrário fugi, embora, tenha material para vários livros. A questão é a qualidade. Precisava e ainda preciso ter certeza de que valem ao menos um pouco mais que uma árvore.
Felizmente alcançei a era digital. Ah! Como sou grata! Posso escrever dezenas de livros, corrigir, editar eletronicamente, ou deletar, sem que nenhuma árvore tombe. Esta certeza ou o desengano, espero encontrar nestes caminhos virtuais. Orgulhosamente e com muita honra, a título de informação, comunico que detenho vários prêmios literários, nas categorias,conto e poesia, de diversos concursos, dentre os quais, alguns de Secretárias de Cultura dos Estados Paraná e Mato Grosso e um do MEC. Sou também membro correspondente da Academia Cachoeirense de Letras e contribuo com três sites literários.
Conclusão: Carente de cultura institucional, tateio no escuro. Não! Não me envergonho…O problema é o frio. Visto a roupa do mendigo, mas não me sujeito o beber em qualquer pôça. Atravesso a passarela então me acho. Enquanto dedos eu tiver, vou aparando à unha minha própria e tão imprópria ignorância. Coisa que não admito é protelar ou sucumbir, não frente a “esta” mazela.
Para alimentar o corpo, sempre atuei no ramo da moda. Vaidade das vaidades! Prefiro mais criar porcos e galinhas. Para nutrir a alma, poesia. Elevar o espírito, oração. Tudo com uma dose de bom humor e alegria.
Neta de imigrantes ucranianos descendentes dos wikings e nórdicos, tive por acréscimo vinte anos de veemente treinamento na filosofia e costumes orientais. Nasci no interior, vivi em grandes cidades. Amo meu país e sou patriota. Sou mulher e sou passarinho, tenho raíz e sei voar, mas não sei me definir.

PS. Se possível deixe seu comentário.
São bem-vindas tambem críticas construtivas.
Muitíssimo obrigada!

…………………………………………………………………………………..

Anúncios

Posted 31 de Janeiro de 2010 by clara-mei in Uncategorized

Tagged with , , ,

22 responses to “CLARA-MEI E OUTRAS LUZES

Subscribe to comments with RSS.

  1. “Gratia Dei sun id quod sum.”

    E isto diz tudo minha querida, adorei ler o teu texto ritmado e por vezes emociono-me com tanto sentimento… A verdade mais verdadeira é que todos somos filhos do mesmo raio de sol e podem tentar rotular-nos colocar-nos do lado de deus ou do diabo mas na verdade somos todos filhos da poeira cósmica que um dia se juntará novamente ao Universo.

    Beijinho Grande de quem certamente te continuará a ler!

  2. …nunix 1979! Esperei por você… Estou começando a compôr este bolg. ainda não o divulguei. Pensava: quem será a pessoa a fazer o primeiro comentário, amigo? Familiar? Um admirador, já conhecido, das andanças virtuais? O cósmo enviou-me você. Um SER iluminado. Obrigada!

  3. Obrigado eu! 🙂 Foi uma honra estrear o painel de comentários que certamente será rico e frutuoso, pela forma como escreves, só pode! Beijinho e boa semana!
    Agradeço também o coment no metadesiguais! 😉
    muah*

  4. Minha querida Clara-Mei,como o seu codinome que substantivamos,voce,como mulher é substantiva.Substantivo é o perfil que voce traçou .Substantiva é a sua vontade de ser,de se fazer sol e claridade,e de forma simples e humilde,brilha ao largo céu deste pais.
    O título do blog não poderia ser diferente.CLARA- MEI E OUTRAS LUZES é a conjugação de todos os tons de sua vida,individual ou inter-pares.é a conjunção de sons que se estabelece nos versos construidos de forma clara,precisa e de sensibilidade ímpar.
    CLARA-MEI E OUTRAS LUZES ´e alfa e ômega de uma mulher constituida de um força espiritual tão grande que nos envolve em qualquer geografia em que estivermos.E,por isso,posso dizer que feliz é aquele que convive com essa aura CLara ah,mei de todos os versejares,de todas as claridades.Por assim ser,Salve,salve,Clara.Amei.

  5. Querido Cezar! Era uma vez uma semente deitada em terra fértil, mas árida, escura e fria. apiedou-se-lhe o germém da vida e a tocou. ela despertou numa manhã, como de um sono profundo. Era ainda o lugar, árido, escuro e frio. Ela, uma réstea, mas com alguma esperança. Tocarem-lhe as OUTRAS LUZES. Dentre as muitas, tú, que ilumina, aquece, colore e aplaina o caminho. só ai então se descobriu existência. clara-mei. Ave! Cezar!

  6. Iagla, querida! Que belo espaço criastes!
    Que muitas outras luzes venham lhe iluminar.
    Força sempre!

    Fraternalmente,
    Thiago

  7. Querido Thiago Damato! Amigo, poeta, companheiro de caminhada. Em meu nome clara-mei e em nome de todas as Outras Luzes, que são una conosco, obrigada, por fazer refletir aqui tambem o teu raio de luz pessoal. Grata Também pelo raminho na porta. (Comentário). Fraterno Abraço! Paz e Bem!

  8. O seu texto é lindo e sua preocupação com a árvore é legítima, poética e ao mesmo tempo séria, gostei dessa passagem, inclusive, achei a mais importante porque informa algo além dos cuidados com a natureza, mas também um sintomático aceno de sua interioridade espiritual. Uma bela apresentação, sem dúvida!…..

    Abs….Muita Luz….Uma paz….MF.

  9. Querido Milton(Filho!) Receber tua visita é um grande prazer! Poder contar com sua amizade e colaboração, solicitada ou expontânea, muito me tranquiliza engrandece e estimula. Aproveitando a deixa, passo uma experiência pessoal aos que, como eu, têm interesses em atuar o mais ecologicamente correto possivel. DICA: Ao fazer qualquer tipo de rascunhos, escrita, desenho, anotações etc. Use o reverso de apostilas, ou qualquer outra encardernação ou página, anteriormente usada apenas de um lado. Isto duplica a utilidade do papel. E as árvores, agradecem! Obrigada Miltom! Abraço querido.

  10. Clara-mei,

    Divina poetisa. Pôs poesia até na biografia.
    Com a beleza que é própria dos sensíveis;
    Assim como o impossível faz-nos limitado.
    Sua história nos guia por mares infindáveis.
    Aguardo suas belas rimas ritmadas,
    para degustar com um bom vinho seco,
    com peixes frescos do “Velho Chico”.
    Foi muito bom encontrá-la “estrela guia”.
    Um abraço.

  11. Querida clara-mei,

    Fico sinceramente feliz pela sua atitude literária. Refiro-me à criação do seu blog.
    É muito importante ter a nossa “própria casa”, onde podemos arrumar do jeito que queremos e organizar as nossas produções de maneira a dar a conhecer a mais pessoas, desde que estejamos dispostos a manter atualizado, o nosso fazer poético e literário.
    Estarei por aqui como leitor constante.

    Vida longa ao seu blog!

    Felicidades

    Sérgio.

  12. Idem! Arimatéia Macêdo, e quanta honra… Amigo de curta data e longas jornadas. Se alguem me disser que encontros felizes são mero acaso, direi que não conhece o poder da amizade. Não sabe de como tu amigo Arimatéia, viajas mares, ares e eras, para encontrar-me aqui no remanso de nossa poesia. Suor, sangue e alegria, mar adentro, Velho Chico à fora. Obrigada! Medico, Poeta, escritor, homem, amigo. Arimatéia Macêdo.

  13. Caríssimo Sérgio Araújo. Não tive uma iniciativa decidida. Como quase tudo em minha vida, este blog é fruto de inspiração. Motivação recebida de amigos confrades, como tu. A quem sou verdadeiramente grata. Sim! Espero com vossa ajuda, pois sois uma das outras luzes que brilham tambem por aqui, corresponder ao vosso generoso doar-se. Muito Obrigada! Amèm! Vida longa ao blog. Inspiração a todos nós. Paz e bem!

  14. clara-mei,

    Estou aqui para prestigiar este seu gostoso cantinho!

    Sua apresentação é bem criativa. “Para o alvorecer das emoções.”

    Sim, você sabe se definir 🙂

    Um Beijo! Jorge X

  15. Olá clara-mei! Muitíssimo obrigado pela gentileza do seu comentário e pela fidelidade ao meu blog. Também achei muito bacana o seu espaço, bonito e luminoso!

    Bjs e até a próxima!

    João Lima

  16. Clara!
    È sempre prazeroso ler seus textos, que apresentam turbilhões de sentimentos misturados à realidade…Adorei! Parabéns! beijos!!

  17. Ola Bela!
    Por fim pude lhe visitar e foi tao bom lhe encontrar.
    Prometo voltar. Voltarei sempre.
    Um beijo.

  18. Oi Mãe, vim só pra dizer que te amo muito, muito, muito, te reamo, te rereamo, te rerererereamo, infinitamente te amo.
    Beijos…
    Sua filha Itma

  19. Comentar é me deixar numa situação intrigante! Posto que é dificil colocar palavras para aviliar tão bom e belo trabalho…
    Apesar dos machucados da vida, a cada instante nos tornamos mais sensíveis para trabalhar com as palavras…
    A verdade é que, ainda engatinho!
    Parabéns!

  20. Pingback: Os números de 2010 « CLARA-MEI E OUTRAS LUZES

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: