CRÔNICAS   3 comments


. . .
O AMOR É TUDO

Ou o amor não é tudo, ou o mal não existe! Supus.
Elucidaram-me, graciosamente:
_ “O amor é cinquenta por cento misericórdia e cinquenta por cento severidade”.
Saí pois a seu encalço.

Parti de onde estava. Caminhei com o Cristo,  a  perfeita misericórdia. Ah!  que mestre amável… Encarnação da ternura e gentileza. Lavou-me os pés, recostou-me a seu peito, chamou-me criança, deu-me a comer em seu prato.  Oh! quanto o amei… Quanto ainda o hei de amar. O meu Cristo, ontem, hoje, sempre.

Era misericórdia  demais para mim. O deixei. Na cruz? Não! Antes. Logo após a ceia.

No caminho hospedei-me em casa de Francisco. Lá troquei de roupa, estive entre irmãos. De lá saí com menos bagagem, a viagem seria longa e peso nas costas, desnecessário. Quiçá, insuportável.

“A luz vem do Oriente”. Partí ao amanhecer. Aprendí boas maneiras, moral, virtudes, tambem o rigor. Andei pelos três caminhos, detive-me no do Meio. Aprendi o caminhar no fio da espada. Pensei: Descobri já o amor.

Outra vez  prazenteiro, o elucidador não tardou a notificar-me:

_ Falta-te ainda cinquenta por cento!

_ Como? Argumentei. De nada terá valido tantas andanças? Tanto aprimorar o conhecimento?

_ Disseste-o bem! Aprimorastes o que tinhas. Muito valeu!  Será útil no fim.

Olhei para todas as direções, onde estaria a outra metade do objeto de minha procura?

Sem destino, por muito vaguei. Muitas portas abri, encruzilhadas tomei. Nada, absolutamente nada, de novo, encontrei. Todos as vias iam dar no ponto de onde partí; Cinquenta por cento.

Quando e de onde menos esperava veio-me a indicação. Não exitei. Olhei a misericórdia pelo avesso. Dei de cara com a outra face. Que júbilo! Descobri o amor severidade.

Este que arde, devora. Amor que destrói para reconstruir melhor. O amor que mata na severidade para ressuscitar na misericórdia. Ah! Quão intenso é! Assustei-me, duvidei, quiz fugir… Por amor segurou-me. Mostrou-me o hediondo, a miséria extrema, deu-me a conhecer o indizível. Conduziu-me ao inferno. (existe!) Não suportava ver… Tentei fechar os olhos, me proteger. Obrigou-me a abrir. Disse:

_ Veja! Aqui também Sou o Perfeito Amor. Aqui me consumo! Sou o Absoluto Amor em Extrema Severidade.

E se eu matar por amor?  Endaguei.

_ Se fores capaz de ressuscitar… tudo bem!

Por um tempo estive a ruminar, questionava-me: conhecendo o amor como será possível desenvolver dez por cento? Inerte repousava. Aos poucos voltei a me alimentar. Fiz cálculos, gráficos. Comprovei que o Amor É Tudo. E não existe  nem mal. Em equilíbrio, o amor anula-se. Por tanto amar extingue-se a si mesmo, ou simplesmente É amor. Essência da Essência.

Um dia levantei-me. Não era mais o mesmo.

Estava ao sopé da montanha.Olhei para o cume, alto, longe. Sequer minha vista podia alcançar. Quase desanimei. Sabia: Ali não poderia  acampar para sempre. Decidì-me.

Uma vez mais, surgiu do nada. Parecia satisfeito. Falou:

_Até aqui estive contigo. Estás pronto! Sabes já o que é o amor. Agora começa o treinamento. Hora de praticar…

 Tomei-me de entusiasmo. Tinha brilho nos olhos e asas nos pés. Sua mão pousou de leve sobre meu ombro esquerdo. Despedia-se. Olhou-me firme e demoradamente. Fez uma última observação:

_ Um passo de cada vez!

.      .       .

Anúncios

Posted 22 de Fevereiro de 2010 by clara-mei

3 responses to “CRÔNICAS

Subscribe to comments with RSS.

  1. Que amor dividido? Que busca em fases? Ninguém consegue começar a ler suas palavras e não chegar ao final de tão interessantes que são! Me perco a pensar e volto a ler e volto a pensar… Penso ou leio. Parei. Penso!
    Se são carinhos ao carinho.. São lindos pensamentos separados por sentimentos e com asas em pés descalços.
    Não ando nem vôo. Para e penso como alguém pode pensar em tanta beleza?

  2. Querido amigo! Geraldo Edimar. No meu caso aqui, penso que seja mais sentir, do que propriamente pensar. Esta crônica foi baseada em experiência pessoal. Vivê-la foi graça, escrevê-la, um modo de partilhar, e também agradecer. Obrigada! Fraterno abraço! Paz e bem!

  3. Pingback: Os números de 2010 « CLARA-MEI E OUTRAS LUZES

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: